HOMEPAGE - VOCÊ ESTÁ EM RESÍDUOS - [ ver dados desagregados por Região, Estado e Município ]

Os resíduos apresentados estão divididos em: Resíduos industriais, Resíduos rurais e Resíduos urbanos.

RESÍDUOS INDUSTRIAIS

São assim considerados os resíduos provenientes do beneficiamento de produtos agrícolas e florestais e os resíduos do uso de carvão vegetal no setor siderúrgico de ferro-gusa e aço, o gás de alto-forno a carvão vegetal.

As indústrias madeireira, serrarias e mobiliário, produzem resíduos a partir do beneficiamento de toras. Os tipos de resíduos produzidos são casca, cavaco, costaneira, pó de serra, maravalha e aparas. As indústrias de alimentos e bebidas produzem resíduos no fabrico de sucos e aguardente (laranja, caju, abacaxi, cana de açúcar, etc), no beneficiamento de arroz, café, trigo, milho (sabugo e palha), coco da Baía, amendoim, castanha-de-caju, etc.

No setor de papel e celulose existem indústrias de papel e indústrias de celulose, e também indústrias integradas, ou seja, que produzem papel e celulose. Haverá nestes casos diferenças nos tipos de resíduos produzidos, porém, em linhas gerais este setor produz como resíduos: casca, cavaco e lixívia. Existem 220 companhias no Brasil com unidades industriais localizadas em 16 estados, utilizando madeira de reflorestamento, das espécies eucalipto (62%) e pinus (36%).

O setor siderúrgico a carvão vegetal também possui unidades de ferro-gusa e de aço, e unidades integradas, que produzem ferro-gusa e aço. O ferro-gusa é um produto intermediário para a produção do aço, e importante produto de exportação. O gás de alto-forno é produzido durante a reação do carbono do carvão vegetal com o ferro do minério de ferro, e reinjetado no processo, possibilitando o reaproveitamento do calor. A siderurgia a carvão vegetal é responsável por cerca de 30% da produção siderúrgica brasileira e está concentrada principalmente no Estado de Minas Gerais, com algumas unidades no Espírito Santo, Maranhão, Pará, Pernanbuco, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul.

Perfil de Resíduos Industriais (valores expressos em 106)

_ _ _ _ _ _ _
Madeireiro
Quantidade processada de Madeira (t) 
Quantidade Residual (t) 
_ _ _ _ _ _ _
Papel e celulose
Produção de Papel (t) 
Produção de Celulose (t) 
Quantidade processada de Madeira (t) 
Quantidade processada de Serragem (t) 
Quantidade Residual (t) 
_ _ _ _ _ _ _
Ferro gusa
Quantidade Residual (t) 
Consumo de Carvão (t) 
Produção de Gás Alto Forno (t) 
_ _ _ _ _ _ _
Alimentos e bebidas
Quantidade Residual (t) 

 

RESÍDUOS RURAIS

Os resíduos rurais incluem todos os tipos de resíduos gerados pelas atividades produtivas nas zonas rurais, quais seja: os resíduos agrícolas, florestais e pecuários. Os resíduos agrícolas são aqueles produzidos no campo, resultantes das atividade de colheita dos produtos agrícolas.

A quantificação dos resíduos rurais é feita com base nos "índices de colheita", que expressam a relação percentual entre a quantidade total de biomassa gerada por hectare plantado de uma determinada cultura e a quantidade de produto economicamente aproveitável.

Grande parte dos resíduos agrícolas são deixados no próprio terreno de cultivo, servindo como de proteção ao solo ou como adubo fornecedor de nutriente ao solo.

São considerados resíduos florestais, aqueles gerados e deixados na floresta como resultado das atividades de extração da madeira. Infere-se que cerca de 20% da massa de uma árvore são deixados na floresta. Estima-se que existe um potencial muito grande de aproveitamento energético de resíduos florestais no Brasil, uma vez que as atividades extrativas da madeira tanto para o carvoejamento quanto para o uso não energético desenvolvem-se de forma intensiva de Norte ao Sul do País.

Os resíduos da pecuária são constituídos por estercos e outros e outros produtos resultantes da atividade biológica do gado bovino, suíno, caprino e outros, cuja relevância local justifica seu aproveitamento energético. Este tipo de resíduo é importante matéria-prima para a produção de biogás, que pode ter um papel relevante no suprimento energético, principalmente para a cocção de alimentos nas zonas rurais.

A disponibilidade de resíduos rurais, para efeito deste banco de dados é estimada com base na produção agrícola, extração de madeiras e atividade pecuária dos municípios.

Perfil de Resíduos Rurais (valores expressos em 106)

_ _ _ _ _ _ _
Agrícola
Quantidade produzida(t) 
Consumo(t) 
Fins Energéticos(t) 
- Eletricidade(t) 
- Calor(t) 
Fins não energéticos(t) 
- Alimentos(t) 
- Outros(t) 
_ _ _ _ _ _ _
Pecuário
 
Quantidade produzida(t) 
Consumo(t) 
Fins Energéticos(t) 
- Eletricidade(t) 
- Calor(t) 
Fins não energéticos(t) 
- Alimentos(t) 
- Outros(t) 
 
imghoriz.gif (52 bytes)imghoriz.gif (52 bytes)

Florestal

Produção(t) 
Nativa(t) 
Outros(t) 
Reflorestamento(t) 
- Pinus(t) 
- Eucalipto(t) 
- Outros(t) 
Consumo(t) 
Fins Energéticos(t) 
- Eletricidade(t) 
- Calor(t) 
Fins não energéticos(t) 
- Alimentos(t) 
- Outros(t) 

 

RESÍDUOS URBANOS E A RECUPERAÇÃO DE ENERGIA

Vivemos numa sociedade que estimula o consumo e a produção em grande escala. A filosofia do descartável e do excesso de embalagens predomina em diversos setores do mercado o que significa diretamente mais rejeitos. Em 1995, o Brasil produzia 241.614 toneladas de lixo por dia, e 76% ficava exposto a céu aberto em lixões (IPT / CEMPRE). Segundo a VEGA Engenharia, empresa de limpeza pública de atuação nacional, há um crescimento em torno de 5% ao ano na quantidade de lixo gerado. Grande parte do lixo ainda não é coletado permanecendo junto às residências. A produção de lixo "per capita" hoje gira em torno de 600g/hab/dia e há poucos aterros sanitários ou aterros controlados no Brasil. Em São Paulo, por exemplo, estima-se que cada habitante produz 1 kg de lixo por dia. Este valor tende a crescer, tornando a problemática do lixo inexorável e irreversível e legitimando a necessidade de alternativas eficazes e custo-efetivas.

Problemas sérios causados pela precária disposição final do lixo são a disseminação de doenças, a contaminação do solo e de águas subterrâneas pelo chorume, a poluição pelo gás metano (gerado na decomposição da matéria orgânica presente no lixo), a falta de espaço para o armazenamento, entre outros. O teor de matéria orgânica (C, H, O, N ) do lixo brasileiro é de 60% conferindo-lhe bom potencial energético. O Poder Calorífico Inferior (PCI) médio de resíduo domiciliar é de 1.300 kcal/kg (5,44 MJ/kg). De acordo com a tecnologia empregada e com a composição físico-química dos resíduos, estima-se a produção de 0,035 MW/tonelada de lixo, através de incineração.

A recuperação de energia a partir do lixo tem duas grandes vertentes:

1. A recuperação do gás metano para geração de energia (a decomposição anaeróbica pode gerar 350 a 500 m3 de gás metano por tonelada de lixo brasileiro), com investimentos em aterros controlados, que pode ser complementada pela coleta seletiva ou triagem pós-coleta visando a reciclagem e a diminuição do volume a ser aterrado.

2. Incineração do lixo visando a sua redução e inertização, com recuperação de energia.

Este banco de dados procura reunir informações que demonstrem a viabilidade da utilização desta biomassa para fins energéticos, já que o Brasil necessita de soluções para seus descartes. A desagregação dos dados é feita até o nível municipal.

Perfil de Resíduos Urbanos (valores expressos em 106)

Densidade populacional:
Lixo per capita:
Quantidade média coletada (t):
Nº depósito em atividade:
Nº depósito saturado:
Volume aterrado (m3):
Produção 
- Total (t/dia) 
- Per capita (t/hab/dia) 
Energia Gerada 
Biogás 
- Potencial obtido (m3/dia) 
- Potencial geral (m3/dia) 
Eletricidade 
- Potencial geral (MWh) 
- Efetivo obtido (MWh) 

 

Tipos de Resíduos Urbanos (valores expressos em 106)

1 - RESÍDUOS DOMICILIARES

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro Municipal (t/dia) 
Compostagem (t/dia) 
Reciclável (t/dia) 

2 - RESÍDUOS COMERCIAIS

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro Municipal (t/dia) 
Compostagem (t/dia) 
Reciclável (t/dia) 

 

imghoriz.gif (52 bytes)imghoriz.gif (52 bytes)imghoriz.gif (52 bytes)

3 - RESÍDUOS ESPECIAIS

_ _ _ _ _ _ _ _
• Hospitalar

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Incineração (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Entulho/Demolição

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro Municipal (t/dia) 
Reciclagem (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Bagulhos volumosos

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Incineração (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Industrial

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Aterro especial (t/dia) 
Reciclagem (t/dia) 
Incineração (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Feiras

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Compostagem (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Podas/Jardins

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Compostagem (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Supermercados/sacolões

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Compostagem (t/dia) 

_ _ _ _ _ _ _ _
• Outros

Quantidade coletada (t/dia) 
Destino:
Aterro municipal (t/dia) 
Aterro especial (t/dia) 
Reciclagem (t/dia) 
Incineração (t/dia)